Pesquisar no Blog
Papo com VET

Gripe Canina: o que é, como tratar e prevenir?

*Caroline Voltarelli Ferrari* 

Com o inverno chegando e a baixa temperatura, tanto os humanos como os cães ficam predispostos a contrair a gripe. A traqueobronquite infecciosa canina, mais conhecida como gripe canina e também chamada de Tosse dos Canis, devido seu sintoma ser uma tosse como se estivesse engasgado, é diferente da gripe dos humanos.

Seu vírus é o H3N8 é um tipo específico do vírus da influenza que causa doenças em cães, mas não em seres humanos. É uma doença na maioria das vezes de baixa gravidade, mas extremamente contagiosa em outros cães, que espalha rapidamente em ambiente onde há aglomeração de animais.

O vírus foi descoberto há mais de 40 anos em cavalos e só em 2004 houve casos de cães contaminados. Não se sabe ao certo porque o vírus mudou seu hospedeiro.

Ele é transmitido pelo contato direto pelas secreções nasais de cães infectados, objetos ou mesmo por pessoas que tiveram contato com o animal infectado. Isso porque o vírus fica na mão e nas roupas por 24 horas, caso a as mãos não sejam lavadas.

Nos animais contaminados o vírus se multiplica nas secreções nasais em altos níveis de 2 a 4 dias após o contato. Existem cães assintomáticos, ou seja, que não apresentam nenhum sintoma, mas que são portadores do vírus e podem passar para outro cão, sem contrair a doença.

Já nos cães sintomáticos, apresentam tosse seca ou acompanhada por secreção, engasgos, produção de espuma branca que pode dar a  impressão de vômitos para o proprietário. Com o passar do tempo as tosses se tornam mais evidentes e demoradas. Além disso, o animal pode apresentar febre, apatia, desânimo e falta de apetite.

Se não for tratada, a gripe pode agravar para pneumonia, por isso, leve sempre ao médico veterinário.

A gripe canina é uma doença que tem seu período curto, de 3 a 5 dias, podendo continuar por período mais extensos, com remissão pelo sistema imunológico do cão.

Mantenha o animal aquecido, longe de correntes de ar, sem contato com outros cães, evite passeios, parques, creches até a melhora 100%.

Leve seu animal ao veterinário para que ele possa examiná-lo e entrar com a terapia adequada. Para animais que evoluíram para quadros de pneumonia onde a secreção é densa e amarelada-esverdeada, será necessário o uso de antibiótico específico.  Embora raros, em casos mais graves, alguns cães podem necessitar de auxilio respiratório com oxigênio.

Mantenha o animal hidratado, com alimentação mais reforçada, isolado de outros cães. Todos os objetos, roupas, cobertores que ele tenha contato, devem ser higienizados com desinfetante adequado. Aos proprietários é recomendado higienizar as mãos antes e depois do contato com o cão para  que não ocorra a reinfecção.

Jamais medique o animal por conta própria, pois eles podem ser intoxicados com facilidade. Medicamentos humanos como aspirina e paracetamol podem ser fatal para eles. Sempre leve ao médico veterinário pois só ele saberá qual o tratamento específico para seu animal.

Há uma vacina específica para a Gripe canina que é a melhor forma de prevenção da doença. Porém por se tratar de vírus (facilmente mutável),  a vacina pode não garantir que o animal não adoeça. A vacina não trata a doença, mas diminui drasticamente a gravidade no cão já infectado. Ela também ajuda no combate ao vírus no ambiente, já que os vacinados são menos propensos a transmitir o vírus.

O protocolo vacinal é realizado em cães a partir de 8 semanas de idade, para a prevenção da gripe canina. Deverão receber duas doses com intervalo de 2 a 4 semanas. A imunidade se inicia 21 dias após a segunda dose. Depois, a revacinação anual de uma dose única.

*Caroline Voltarelli Ferrari é médica veterinária do Vetdomícilio e atende na região de São Paulo e ABC paulista.

Contato: (11) 98675-6193

Instagram: @vetdomicilio_dra_caroline

Facebook:/vetdomiciliodracaroline

 

Leia outros artigos escritos por veterinários:

O uso da Termografia na Medicina Veterinária

Doença Renal em gatos

Benefícios da cromoterapia para pets

 

Sem Comentários

Deixe sua resposta