Pesquisar no Blog
Dicas

Cão não quer ficar sozinho? Saiba qual é o problema!

Hoje vamos falar de um tema muito importante: cães que sofrem por passarem muito tempo sozinhos em casa!

Isso é cada vez mais comum. Mesmo amando muito o pet, precisamos sair de casa para diversos motivos, né?

Com a correria do dia a dia, cada vez mais os donos se preocupam por não ter tanto tempo para oferecer aos seus pets. Cães que passam muito tempo sozinhos em casa enquanto os tutores estão trabalhando podem desenvolver a Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS). Já ouviu falar?

É uma doença que os cães podem desenvolver por excesso de apego ao dono ou por falta de estímulos (brincadeiras e exercícios). Com isso, o pet começa a apresentar sintomas como lamber excessivamente as patas, latir quando está sozinho, destruir móveis e objetos pessoais do tutor, fazer xixi em lugar errado, entre outros.

Ao contrário dos gatos que se viram muito bem sozinhos em casa, os cães têm maiores dificuldades de ficarem longe dos donos por muitas horas. Os cães que passam muitas horas sozinho em casa são os mais propensos a desenvolver este problema.

No entanto, algumas raças podem se adaptar melhor ao estilo de vida de pessoas que precisam passar o dia inteiro fora devido ao trabalho. Isso não quer dizer que os peludos devem ficar sempre em casa, sendo privados de passeios diários – fundamentais para o bem-estar dos cães. A dica de Botica Pet é procurar raças que sejam menos agitadas e mais “caseiras” e que se adaptem a rotina de seus tutores. Veja abaixo:

Pequeno porte – Lhasa Apso, Shih Tzu, Boston Terrier, Pug, Spitz Alemão, Yorkshire, Buldogue Francês.

Médio porte – Buldogue Inglês, Schnauzer, Cocker Spaniel

Grande porte – Boxer, Mastiff, Dogue Alemão, Terra Nova

SRDs – apesar de algumas raças de cães serem indicadas como cães mais calmos, não podemos esquecer que os queridos vira-latas são facilmente adestrados e acostumarem a ficar em casa bem tranquilos!

Para ajudar o seu pet, você pode:

  • Mudar a rotina e incluir mais exercícios: passeios diários ajudam a acalmar o peludo!
  • Enriquecer o ambiente antes de sair de casa: brinquedos e petiscos podem ajudar.
  • Terapias alternativas, como a Acupuntura, podem ajudar.
A Acupuntura é uma terapia natural e que pode ajudar muito o pet a relaxar.

Veja que legal este infográfico  com 5 dicas para ajudar a acalmar o seu pet.  Achei bem bacana as informações encontradas no blog da Botica Pets. Quer receber? Acesse aqui.

Que tal colocar em prática uma mudança radical na rotina do peludo para evitar estes comportamentos?

Sem Comentários

Deixe sua resposta