Pesquisar no Blog
Nutrição Saúde

Alimentos funcionais e nutracêuticos: quais os benefícios para pets?

Alimentos funcionais e nutracêuticos: para que servem?

Se você é um tutor AUtenado ou MIAUtenado, já deve ter ouvido falar das mais diversas terapias naturais que podem auxiliar na prevenção e no tratamento de doenças que acometem os cães e gatos.

Aqui no Fitopet já falamos de algumas delas, como a acupuntura, a homeopatia, a suplementação natural, a cinesioterapia, a alimentação natural (AN), a cromoterapia, a ozonioterapia, o reiki. entre outras.

Neste post vamos destacar alguns conceitos que são muito importantes de serem compreendidos para os donos que têm interesse em oferecer um cuidado natural para o seu cachorro ou gato.

Para isso, usamos como base dois artigos científicos. As referências vocês encontram no final do post!

Terapias naturais para os cães

A importância com a alimentação, a prática de exercícios físicos, os check-ups frequentes e outros cuidados preventivos com a saúde e bem-estar estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Com os pets não é diferente. Os tutores de cães e gatos estão sim mais preocupados em oferecer o que há de melhor para os seus filhos de quatro patas.

Doenças como diabetes, obesidade, cardiopatias, problemas gastrointestinais e de pelo e pelagem são comuns na rotina clínica de animais de estimação.

Problemas como cansaço, ansiedade, depressão, medo e irritação também podem acometer os pets e são muito comuns nos dias de hoje, não é mesmo?

Alimentos funcionais e nutracêuticos para cães e gatos

Os alimentos funcionais e os nutracêuticos surgem neste cenário como opções naturais de prevenção e tratamentos destas enfermidades que causam tanto desconforto aos peludos e seus pais.

Mas o que são alimentos funcionais?

alimentos funcionais para pets

Segundo os artigos consultados, um alimento pode ser considerado funcional se for demonstrado que o mesmo pode afetar beneficamente uma ou mais funções do corpo, além de possuir efeitos nutricionais, de maneira que seja relevante para o bem-estar e a saúde quanto para a redução do risco de uma doença. Os alimentos funcionais provêm a oportunidade de combinar produtos comestíveis de alta flexibilidade com moléculas biologicamente ativas, como estratégia para consistentemente corrigir distúrbios metabólicos, resultando em redução dos riscos de doenças e manutenção da saúde.

O que isso quer dizer, afinal?

Alguns alimentos vão além de suas funções nutricionais básicas, contribuindo para a melhora do estado de saúde e bem-estar, além de reduzir o aparecimento de doenças. Hoje já sabe que muitos alimentos possuem essas propriedades como por exemplo a alcachofra, a laranja amarga, a acerola, o maracujá, a cenoura, a clorela, entre outros.

Os alimentos e ingredientes funcionais podem ser classificados de dois modos: quanto à fonte, de origem vegetal ou animal, ou quanto aos benefícios que oferecem, atuando em seis áreas do organismo: no sistema gastrointestinal; no sistema cardiovascular; no metabolismo de substratos; no crescimento, no desenvolvimento e diferenciação celular; no comportamento das funções fisiológicas e como antioxidantes.

OPA! Sabemos que estes alimentos são bons para saúde, mas não precisar ficar nervoso para comer tudo, né?

E nutracêuticos?

De acordo com os pesquisadores, o nutracêutico é um alimento ou parte de um alimento que proporciona benefícios médicos e de saúde, incluindo a prevenção e/ou tratamento da doença. Tais produtos podem abranger desde os nutrientes isolados, suplementos na forma de cápsulas e dietas até os produtos beneficamente projetados, produtos herbais e alimentos processados tais como cereais, sopas e bebidas.

Kruger & Mann (2003) definem os ingredientes funcionais como um grupo de compostos que apresentam benefícios à saúde, tais como as alicinas presentes no alho, os carotenóides e flavonóides encontrados em frutas e vegetais, os glucosinolatos encontrados nos vegetais crucíferos os ácidos graxos poliinsaturados presentes em óleos vegetais e óleo de peixe. Estes ingredientes podem ser consumidos juntamente com os alimentos dos quais são provenientes, sendo estes alimentos considerados alimentos funcionais, ou individualmente, como nutracêuticos.

Como os cães e gatos podem se beneficiar com nutracêuticos e alimentos funcionais?

nutracêuticos para cães e gatos

Além do papel fundamental da dieta em suprir a necessidade de energia e dos nutrientes essenciais para pets, estuda-se a possibilidade desta promover a prevenção de doenças ou, até mesmo, auxiliar no tratamento das mesmas com o uso de nutracêuticos.

Hoje se reconhece a importância do manejo alimentar para algumas doenças que induzem alterações metabólicas e funcionais específicas. A dieta é formulada de modo a apresentar composição nutricional que melhor se adeque às modificações metabólicas induzidas pela doença e é ferramenta importante, que vem sendo largamente empregada (HAND et al., 2010). Acredita-se que o uso de nutracêuticos, em associação a estas dietas específicas, possa resultar em benefícios adicionais aos cães e gatos.

Conheça alguns destes componentes e benefícios:

Probióticos

Os probióticos são microrganismos vivos que podem ser agregados como suplementos na dieta, afetando de forma benéfica o desenvolvimento da flora microbiana no intestino.

Em um intestino adulto saudável, a microflora predominante se compõe de microrganismos promotores da saúde.  Os benefícios à saúde do hospedeiro atribuídos à ingestão de culturas probióticas são: controle da microbiota intestinal, estabilização da microbiota intestinal após o uso de antibióticos, promoção da resistência gastrintestinal à colonização por patógenos, diminuição da concentração dos ácidos acético e lático, de bacteriocinas e outros compostos antimicrobianos, promoção da digestão da lactose em indivíduos intolerantes à lactose, estimulação do sistema imune, alívio da constipação e aumento da absorção de minerais e vitaminas” (SAAD, 2006, p.5).

probióticos para cães e gatos
Prebióticos

Os prebióticos são oligossacarídeos não digeríveis, porém fermentáveis cuja função é mudar a atividade e a composição da microbiota intestinal com a perspectiva de promover a saúde do hospedeiro. As fibras dietéticas e os oligossacarídeos não digeríveis são os principais substratos de crescimento dos microrganismos dos intestinos.

Os prebióticos estimulam o crescimento dos grupos endógenos de população microbiana, tais como as Bifidobactérias e os Lactobacillos, que são ditos como benéficos para a saúde humana (BLAUT, 2002). Os prebióticos mais eficientes irão reduzir a atividade de organismos potencialmente patogênicos (ROBERFROID, 2002). Para que uma substância (ou grupo de substâncias) possa ser definida como tal, deve cumprir os seguintes requisitos: ser de origem vegetal; formar parte de um conjunto heterogêneo de moléculas complexas; não ser digerida por enzimas digestivas; ser parcialmente fermentada por uma colônia de bactérias e ser osmoticamente ativa (RODRÍGUEZ, et al., 2003). Por exemplo, alguns oligossacarídeos como a oligofrutose e a inulina, conduzem a um aumento significativo do número de bifidobactérias.

Derivados da parede celular de leveduras

Muitos dos alimentos comerciais para cães e gatos produzidos no Brasil contêm derivados de levedura (parede celular de leveduras, como a Saccharomyces cerevisiae). Estes são incluídos argumentando- se benefícios ao sistema imune e ação sobre a microbiota do trato gastrointestinal. Parecem auxiliar nos mecanismos de defesa, na seleção de microbiota gastrintestinal benéfica, na promoção da saúde intestinal e aglutinação de patógenos para que sejam eliminados. Além de poder auxiliar na resposta contra infecções, trabalhos descrevem a sua ação como adjuvante na terapia anti-tumoral.

EPA e DHA (Ômega 3)

Além de serem considerados nutrientes essenciais (NRC, 2006), outros benefícios do fornecimento de ácidos graxos poliinsaturados da família ômega-3 têm sido estudados. Confusão ainda se faz no segmento veterinário quanto às possíveis ações fisiológicas de dieta ou suplemento contendo estes compostos, não se distinguido adequadamente as ações dos ácidos graxos das famílias ômega-3 ou ômega-6.

EPA e DHA para pets

Dentro da família ômega-3, os ácidos graxos com ações fisiológicas são os ácidos alfa- linolênico, eicosapentaenoico e docosaexaenoico. Para uma ação fisiológica correta deve-se suplementar na dieta destes animais carnívoros diretamente o EPA e o DHA. Entre os benefícios estão: efeito cardioprotetor, ação sobre o desenvolvimento neurológico, estrutura e função da retina, modulação da resposta inflamatória, controle de proteinúria e progressão da doença renal, alívio da dor associada a artrites, controle da inflamação cutânea em processos alérgicos e câncer estão entre os potenciais usos do óleo de peixe para cães (CARCIOFI; BAZOLLI; PRADA, 2002; FREEMAN, 2010; BAUER, 2011).

Vitamina E

A vitamina E é o maior antioxidante lipossolúvel no plasma, eritrócitos e demais tecidos, nos quais sua principal função é o sequestro de radicais livres para prevenir a oxidação dos ácidos graxos poliinsaturados das membranas celulares. A ação imunorreguladora dos carotenóides está altamente correlacionada com a sua ação antioxidante. Estudos sobre o papel dos carotenóides na função imune demonstram que atuam na estimulação da imunidade inata; sobre a resposta imune celular; na produção de imunoglobulinas; regulam o sistema imune adaptativo e a hematopoiese. Também tem sido demonstrada a atuação dos carotenóides na imunidade tumoral.

A vitamina E e os carotenóides, com ação principalmente antioxidante, também podem atuar sobre a imunidade, podendo auxiliar em algumas situações clínicas. Especialmente, no caso da vitamina E já se tem evidências que pode ser efetiva no tratamento de doenças hepáticas e dermatológicas.

No entanto, muitos tutores ainda têm dúvidas de como oferecer estes nutrientes em sua forma biologicamente ativa e de forma segura para cães e gatos. E é aí que entram os suplementos!

Como funcionam os suplementos?

Produtos Botica Pets
Suplementos funcionais e naturais da Botica Pets!

Para ficar mais claro, vamos usar como exemplo a passiflora, a planta do Maracujá. Enquanto muitas pessoas pensam que é a fruta que ajuda a acalmar, é a partir da folha que obtemos os benefícios que auxiliam no tratamento dos sintomas da ansiedade. Neste caso, pode não ser adequado e prático oferecer diretamente a folha do Maracujá para o peludo.

A qualidade terapêutica desse alimento funcional é potencializada quando concentrada em suplementos, pois as doses excedem a capacidade que qualquer pet poderia consumir se comesse apenas o alimento (ou a folha). Estes produtos são formulados por veterinários, seguros para os pets e totalmente naturais!

Os suplementos nada mais são do que compostos bioativos apresentados em comprimidos, pó ou palitos, que contêm a forma concentrada, ou seja, a parte mais “interessante” do alimento, em doses terapêuticas ideais para os pets.

Logomarca Botica petsA Botica Pets é uma empresa brasileira especializada na produção de suplementos naturais com foco nos cuidados com cães e gatos. Vale a pena conhecer os produtos deles.

Quer saber mais sobre o suplementos naturais para cães e gatos mais recomendados do mercado pet? Veja aqui.

Se tiver interesse vocês podem ler os artigos na íntegra:

Alimentos Funcionais e Nutracêuticos: MORAES, Fernanda P., COLLA, Luciane M. Alimentos Funcionais e Nutracêuticos: definições legislação e benefícios para a saúde. Revista Eletrônica de Farmácia. Volume 3, págs 109-122, 2006.

Nutracêuticos com potencial imunomodulador para pets: ZAINE, Leandro; MONTI, Mariana; VASCONCELLOS, Ricardo Souza; CARCIOFI, Aulus Cavalieri. Nutracêuticos imunomoduladores com potencial uso clínico para cães e gatos. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 35, n. 4, suplemento, p. 2513-2530, 2014. Leia o artigo aqui.

Leia também:

Medicina Tradicional Chinesa: como pode ajudar o pet?

Farmacupuntura para pets: como funciona?

Qual o efeito do maracujá para cães e gatos?

Sem Comentários

Deixe sua resposta